terça-feira, 25 de maio de 2010


É realmete incrível minha admiração pelas bolrboletas.
Alguém me disse que falar desses seres comigo era quase que discutir sobre a origem do universo, tamanho meu encanto.
Isso porque, as borboletas para mim vão muito além do que alguma espécie deste planeta, elas são a espécie mais parecida com o homem que tenho conhecimento, entretanto vão um pouco além de nós.
Metaforicamente pensando, as borboletas e os homens tem muito em comum, excerto pelas características das borboletas que o homem não possui.
Elas são aparentemente iguais entre si, mas se olharmos de perto se diferem em muito, assim como o homens, algumas se destacam pelo tamanho, cor ou beleza, outras são comuns. E essa característica muda de acordo com os olhos que a vêem. Posso me encantar por uma que outro pessoa passaria sem perceber a presença.
O que mais admiro nas borboletas é algo único, que a natureza não nos permite:
O vôo.
Algumas vão mais alto que as outras, algumas batem suas asas com mais elegância, outras são desesperadas, elas são sublimes quando não inertes.
Mas este é também o maior mistério delas.
Como a maioria dos seres (inclusive o homem) elas não podem ser pegas, aprisionadas.
Elas não cabem em gaiolas ou correntes e se feito isso as condena a morte.
O homem, o macaco, o urso, se conformam com suas gaiolas.
Para o pássaro, cantar alivia a dor de estar preso.
Os cães brincam com suas coleiras e não se importam com seu espaço restrito.
As borboletas não.
Elas declaram sua própria morte.
Viver presa não é sua natureza.
Por isso elas são tão grandes. Elas cabem na palma das mãos, mas basta que feche para mata -la.

Elas não suportam viver sem seu vôo.


encontrado no blog umcafepara2.blogspot.com

2 comentários:

Bruna Tavares disse...

Fiquei realmente feliz quando busque meu blog no google e encontrei essa postagem. Fico feliz não só pela sua visita mas também por te-la mencionado no seu espaço.
Esteja sempre a vontade, a casa é sua!

umcafepara2

Bruna Tavares disse...

valeu